Segurança Psicológica pode ser definido de uma forma mais ampla como sendo um clima compartilhado dentro de uma equipe em que as pessoas se sentem confortáveis em se expressarem e em serem elas mesmas.

Este termo foi inicialmente cunhado pela Professora de Harvard Dra. Amy Edmondson em 1999 e ganhou muita visibilidade quando o Google tornou público os resultados de um dos maiores estudos de equipe já conduzidos, conhecido como Projeto Aristóteles, que definiu que Segurança Psicológica era o fator mais importante das equipes de sucesso.

O conceito de Segurança Psicológica está muito atrelado ao entendimento de que não é mais suficiente apenas contratar os melhores talentos, é necessário criar as condições para que eles possam cooperar e trabalhar juntos. Neste sentido, quanto mais se tem falado sobre Segurança Psicológica, maior é o risco de que surjam desentendimentos a respeito do que é e o que não é Segurança Psicológica.

Neste artigo eu busco esclarecer cinco “mitos” muito comuns a respeito de Segurança Psicológica que podem minar todo o esforço em promover este ambiente na sua equipe:

1. Segurança Psicológica (não) é uma habilidade aprendida

Um erro muito comum é acreditar que Segurança Psicológica está no reino das habilidades ou competências que são aprendidas. Segurança Psicológica não é nem uma hardskill nem uma softskill – ela é um fenômeno. É quando um conjunto de crenças, competências, habilidades, comportamentos, rituais, práticas, políticas e estruturas organizacionais são intencionalmente estabelecidos para que este fenômeno possa emergir. E neste sentido, a liderança pode e deve ajudar a criar as condições para que este fenômeno aconteça.

É importante frisar também que Segurança Psicológica, apesar de ser um fenômeno, não é o resultado de uma “química” que acontece no grupo que o faz “dar certo”, de uma forma subjetiva. É muito claro que líderes que alcançaram esta condição em seus grupos foram intencionais em suas ações para que este fenômeno surgisse.

2. Segurança Psicológica (não) é sobre “ser educado”

Esta é uma situação muito comum. Numa reunião, seu colega diz algo que você discorda, mas você prefere não dizer nada no momento para “ser educado” com ele, para “não expô-lo”, ou para não criar nenhuma “indisposição” no momento – mas ao final da reunião, todos conversam entre si dizendo que discordaram do que ele disse.

Segurança Psicológica é exatamente o oposto: é muito mais sobre franqueza e menos com “polidez”. É muito mais relacionado à conflitos produtivos e à liberdade de se discordar de opiniões do que “ser educado” com seu colega.

A Segurança Psicológica reside tanto no conforto em dizer uma opinião quanto na discordância dessa opinião. E quando existe a Segurança Psicológica, ambos os lados – aí sim, de forma educada – conseguem colocar seus pontos de vista e aprenderem com as opiniões diferentes.

3Segurança Psicológica (não) é um traço de Cultura Organizacional

Quando definimos que Segurança Psicológica é um componente da Cultura Organizacional da empresa, nós caímos no erro de tratar a Segurança Psicológica no nível organizacional, buscando entender se a empresa possui ou não Segurança Psicológica. Mas Segurança Psicológica é um fenômeno que acontece no nível das equipes. Isso significa que mesmo em empresas com uma Cultura Organizacional bastante robusta e bem estabelecida irão existir equipes com alta Segurança Psicológica e outras com baixa Segurança Psicológica – o que na verdade é bem normal de acontecer.

Isso acontece por dois motivos principais:

  • A interação do trabalho no dia a dia acontece no nível das equipes;
  • A Segurança Psicológica depende fundamentalmente do líder da equipe para que este fenômeno aconteça.

Neste sentido, podemos descartar o componente da Cultura Organizacional no ambiente de Segurança Psicológica? Com certeza não. A Cultura Organizacional possui um papel muito importante em dar a visibilidade da Segurança Psicológica nas equipes, mostrar que este é um caminho no qual os líderes precisam se conscientizar, e criar as condições para que ações de Segurança Psicológica tenham ressonância em um nível organizacional.

4. Segurança Psicológica (não) é um benefício concedido aos Colaboradores

Segurança Psicológica está diretamente ligada à maiores níveis de satisfação no trabalho, engajamento, produtividade e bem estar. Logo, pode-se partir do princípio de que um ambiente de Segurança Psicológica é como se fosse um benefício da empresa a ser concedido para seus colaboradores, assim como dias extras de férias ou plano de saúde.

Precisamos entender de uma vez por todas que Segurança Psicológica não é um benefício, mas é um fator crítico de sobrevivência das organizações no médio e longo prazo. Se o normal do nosso ambiente de negócios está caracterizado por ser VUCA – volátil, incerto, complexo e ambíguo – mais do que nunca as empresas precisam e dependem da criatividade, da engenhosidade e da capacidade de inovação de seus colaboradores. E eles dependem de um ambiente de Segurança Psicológica para que estes elementos sejam aproveitados em sua capacidade máxima.

5. Segurança Psicológica (não) é sobre atuar em Consenso

Uma preocupação que existe em “dar voz a todos” é que as reuniões serão intermináveis, pois todos terão algo a dizer, e que as decisões também levarão uma eternidade para serem tomadas, pois surgirá a necessidade de se entrar em consenso com o grupo para que todas as expectativas sejam atendidas em torno da decisão.

Faz sentido, certo? Imagine todos da equipe querendo dizer o acham a respeito de todas as coisas!

Mas isto não é uma consequência da Segurança Psicológica, isto é a simples consequência de processos ruins.

Existem, por exemplo, diversas ferramentas e práticas de condução de reuniões que asseguram o acolhimento das opiniões de todos de forma efetiva e eficiente. O processo de tomada de decisão por consentimento também é uma forma ágil de tomada de decisões em que todos sentem-se incluídos no processo.

Por isso é de fundamental importância que a liderança tenha um olhar muito especial no design de processos e estruturas que sejam inclusivas sem que se perca a agilidade.

Aperfeiçoe seu Conhecimento

Neste artigo eu te mostrei quais são os cinco mitos mais comuns acerca de Segurança Psicológica, e como neutralizá-los.

Quer aprender mais sobre Segurança Psicológica?

1️⃣ Inscreva-se na nossa newsletter! Desta forma você recebe em primeira mão novos artigos e outros conteúdos de alta qualidade sobre Segurança Psicológica e Gestão Responsiva. É só inserir seu e-mail no rodapé desta página ⤵️

2️⃣ Confira este artigo em que eu explico de forma mais detalhada como ela surge nas equipes.

3️⃣ Você sabia que a Fractos possui um programa de desenvolvimento de Segurança Psicológica para sua equipe? Basta entrar em contato conosco enviando um e-mail para contato@fractos.co ou preenchendo este formulário que te passamos todas as informações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *